Ponteiros

Sujeito a alteração com processamentos fora de hora. Verificar periodicamente recarregando a página.


Programação de Req.

Sujeito a alteração de acordo com horarios convencionados.

Notícias

08:41 | Caso Marielle: PF cumpre mandados contra obstrução das investigações

Assassinato de vereadora completa um ano em março
Assassinato de vereadora completa um ano em março Getty Images / Emmanuele Contini / NurPhoto

A Polícia Federal cumpre, nesta quinta-feira (21), oito mandados de busca e apreensão relacionados à execução da vereadora Marielle Franco (PSOL).

A operação apura tentativas de obstruir as investigações dos homicídios da vereadora e do motorista Anderson Gomes, em março do ano passado.

As medidas para foram autorizadas pela Justiça Estadual após serem submetidas ao Ministério Público do Rio de Janeiro.

As investigações da autoria e motivação do crime continuam a cargo da Polícia Civil do Rio. Contudo, a Polícia Federal apura entraves e obstáculos dirigidos à investigação dos crimes.

Leia também: Milícia no RJ: como é a vida em Rio das Pedras, bairro dos suspeitos da morte de Marielle

Milícia acusados por morte de vereadora

Em dezembro do ano passado, o então secretário da Segurança Pública do Rio de Janeiro, general Richard Nunes, afirmou que milicianos ligados à grilagem de terras na zona oeste do Rio teriam executado Marielle.

Segundo o general, as investigações apontam que o trabalho da vereadora para conscientizar moradores da região sobre a posse de terras incomodou paramilitares que ocupavam e loteavam terrenos ilegalmente.

No terceiro dia do mandato como governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel declarou que o caso deve ser encerrado em breve.

Na próximo dia 14, os assassinatos de Marielle e Anderson completam um ano sem resposta.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Raphael Hakime

Leia mais

22:16 | MPF encontra 17 mil caixas com itens sobre esquema de Cabral

Caixas estavam em um depósito na Pavuna
Caixas estavam em um depósito na Pavuna Arquivo/Agência Brasil

Procuradores da força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro encontraram 17 mil caixas com documentos que trazem mais informações sobre o esquema de pagamento de propinas durante a gestão do ex-governador Sérgio Cabral.

As caixas estavam em um depósito na Pavuna, zona norte do Rio, e pertenciam à transportadora de valores Trans Expert, que de acordo com o Ministério Público Federal, funcionava como  “banco paralelo” para movimentar o dinheiro do esquema de corrupção.

A empresa responsável pelo armazenamento das caixas fez contato com as autoridades, depois que a transportadora deixou de fazer os pagamentos pela guarda. Três mandados de busca e apreensão foram autorizados pela Justiça para acesso aos documentos.

Justiça bloqueia bens de Cabral, Pezão e de quatro deputados do Rio

Segundo o procurador Sérgio Pinel, foram descobertos documentos que comprovam pagamentos de uma mensalidade do governador ao ex-secretário da Casa Civil, Régis Fichtner, preso pela segunda vez na última sexta-feira (15), acusado de receber propinas no valor de R$ 1,5 milhão enquanto estava no comando da Casa Civil, de 2007 a 2014.

“Um dos documentos encontrados é um comprovante de pagamento ao operador financeiro de Fichtner, coronel PM Fernando França Martins, que recebia valores em uma sala comercial no centro da cidade. A informação da ordem de pagamento encontrada, bate com as anotações dos doleiros, apresentadas quando fizeram a colaboração premiada com o MPF”, informou o procurador.

Pinel diz que os documentos confirmam informações apuradas com doleiros, em colaborações premiadas, que deram início às investigações em junho do ano passado. Na ação, o MPF denunciou 62 pessoas pelos crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção contra o sistema financeiro internacional, entre eles, Sérgio Cabral. Também é acusado Dario Messer, apontado como o “doleiro dos doleiros”, que está foragido desde a deflagração da Operação Câmbio, Desligo.

As acusações são baseadas nas investigações conduzidas pela operação, um dos desdobramentos da Lava Jato no Rio de Janeiro. Também foram levadas em conta declarações e documentos apresentados por Juca Bala, apontado como doleiro de Cabral, e por seu sócio Cláudio Barboza, conhecido como Tony. Os dois estão entre os denunciados, mas fizeram acordos de delação premiada. A denúncia contém 816 páginas e cabe agora ao juiz federal Marcelo Bretas decidir pela abertura de processo penal, aceitando a denúncia e transformando os acusados em réus.

Leia mais

20:35 | Polícia ouve mais depoimentos sobre o caso da empresária agredida no Rio

Polícia ouve mais depoimentos sobre o caso da empresária agredida no Rio

Mais três pessoas prestaram depoimento nesta quarta-feira (20) à polícia, sobre o caso da empresária agredida durante quatro horas, no apartamento dela, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. A Polícia Civil aguarda a melhora clinica de Elaine Caparróz colher depoimento e entender tudo o aconteceu durante o encontro que terminou na agressão.

Leia mais

20:27 | Polícia colhe mais depoimentos sobre caso de jovem morto em supermercado no Rio

Polícia colhe mais depoimentos sobre caso de jovem morto em supermercado no Rio

A polícia ouviu, nesta quarta-feira (20), novos depoimentos sobre o caso do jovem morto após ser imobilizado pelo vigilante de um supermercado na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Além do autor do crime Davi Ricardo Moreira Amancio, os agentes colheram depoimentos de outros dois seguranças e da mãe da vítima.

Leia mais

20:21 | Divisão de Homicídios investiga morte de taxista baleado em Bento Ribeiro

Divisão de Homicídios investiga morte de taxista baleado em Bento Ribeiro

A DH (Divisão de Homicídios) investiga a morte do taxista José Francisco de Lima. Dois frentistas e uma testemunha que presenciaram o crime já foram ouvidos. Os depoimentos revelaram uma versão diferente daquela apresentada pelo menor. O taxista foi morto nesta terça-feira (20), durante uma tentativa de assalto em Bento Ribeiro, zona norte do Rio de Janeiro.

Leia mais

20:10 | Exame pode confirmar morte cerebral de vítima atropelada em Irajá

Exame pode confirmar morte cerebral de vítima atropelada em Irajá

Mãe e filha foram atropeladas na madrugada do último domingo (17) em um bar de Irajá, na zona norte do Rio de Janeiro. O motorista do carro, de 20 anos, não tinha habilitação e afirmou à Polícia Civil que pegou o carro escondido da mãe. O estado de saúde das duas é grave. A família aguarda resultado do exame que pode confirmar a morte cerebral de Carmem Lúcia.

Leia mais

retirado do R7.com